Menu

logo secrailogo secrai editora

O QUE SIGNIFICA O TERMO "MALDIÇÃO"?

Existem cerca de seis palavras no hebraico para descrever tipos de maldições e quatro em grego. Mas aqui apenas nos deteremos a três palavras. A primeira delas é ALAH. Este vocábulo aparece cerca de 35 vezes no Antigo Testamento e sempre descreve uma maldição com origem na quebra da aliança com Deus. Veja algumas passagens.

No momento histórico de Deuteronômio 27 e 28, quando Deus realizou um pacto com o seu povo, ele adverte: “ninguém que, ouvindo as palavras desta maldição [ALAH], se abençoe no íntimo, dizendo: Terei paz, ainda que ande na perversidade do meu coração”; e, ainda diz mais: “O SENHOR o separará de todas as tribos de Israel para calamidade, segundo todas as maldições [ALAH] da aliança escrita neste livro da lei.” Também no livro de Daniel, quando ele se refere aos castigos do descumprimento da lei: “Sim, todo o Israel transgrediu a tua lei, desviando-se, para não obedecer à tua voz; por isso, a maldição [ALAH] e as imprecações que estão escritas na lei de Moisés, servo de Deus, se derramaram sobre nós; porque temos pecado contra ti.” Em outras passagens o termo também é sempre usado com este sentido (Isaías 24:6; Jeremias 23:10; 42:18; 44:12). Podemos dizer , então, mais uma vez que ALAH é a expressão bíblica usada para descrever a maldição advinda da quebra da nossa aliança com Deus.

A Segunda palavra é QALAL. Este termo aparece cerca de 130 vezes no Antigo Testamento. O sentido básico de sua raiz quer dizer “diminuir”, “lidar desdenhosamente”, “ridicularizar”, “zombar”. Significa desejar a alguém uma posição inferior ou rebaixá-la de seu estado. O veículo que canalizará este tipo de maldição é a língua. Na antiguidade atribuía-se grande poder à palavra falada, e cria-se que zombar ou proferir uma sentença verbal negativa a qualquer pessoa podia realmente levantar ou provocar poderes destrutivos que iriam diminuir sua felicidade. Os pagãos achavam que podiam manipular os deuses através de suas palavras. É devido a isso que vemos Golias amaldiçoando a Davi (1Sm 17:43) e Balaão sendo chamado para amaldiçoar Israel (Nm 22:6). O salmista diz também que os inimigos estão constantemente proferindo maldições (Sl 62:4; 109:28). QALAL foi ainda usada para expressar o desprezo que Hagar tinha por Sara (Gn 16:4-5). No entanto, é bom que se frise o que está escrito em Provérbios: “Como o pássaro que foge, como a andorinha no seu vôo, assim, a maldição [QALAL] sem causa não cumpre.” Sendo assim, uma QALAL infundada não tem valor algum. Em síntese, esta palavra sempre aparece associado à idéia tradicional de “lançar uma praga”, “proferir uma maldição”, “verbalizar algo ruim contra uma pessoa ou objeto”. Seus efeitos podem ser trágicos e duradouros, do ponto de vista espiritual.

Em último lugar temos a palavra ‘ARAR. Neste exato momento, gostaria de chamar especialmente a sua atenção. Temos agora a palavra usada pelas Escrituras para descrever uma pessoa debaixo da maldição. Arar aparece cerca de 63 vezes no Antigo Testamento. Agora, preste atenção na análise da raiz deste termo, vista no Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento, “Com base no acadiano ARÃRU, ‘capturar, prender’, e no substantivo IRRITU, ‘armadilha, funda’, Brichto, seguindo Speiser, apresenta a interpretação de que o hebraico Arar significa ‘prender (por encantamento), cercar com obstáculos, deixar sem forças para resistir’.” Eu fiquei impressionado quando descobri isto, pois é exatamente assim que a maldição atua sobre quem a possuiu: prende-a em uma área de sua vida 

Uma coisa é importante: as duas maldições anteriormente analisadas, Alah e Qalal, tão somente representam aspectos descritivos, ou seja, predizem o que poderá acontecer. Mas Arar é a maldição já acontecida, ou seja, concretizada. Arar é a condição a que se chegou depois que uma Qalal ou Alah foi movimentada contra alguém. Arar é o estado de amaldiçoado com todas as suas implicações. Por exemplo, vamos supor que no passado uma mãe, contrária ao casamento da filha, tenha dito que tal relacionamento não daria certo e que a filha iria chorar “lágrimas de sangue” com o esposo. O que essa mãe fez foi lançar uma Qalal. Quando, após algum tempo de casada, o marido de fato começar a dar um trabalho terrível e a filha padecer terrivelmente em suas mãos, ela estará sofrendo os reflexos de uma Arar, ou seja, a maldição cumprida.

Alcione Emerich

9 comentários

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

voltar ao topo

Livros em Destaque

  • abuso-espiritual
  • contaminacao-espiritual
  • familia-doente-filho-ferido
  • fisico-psicologico-ou-espiritual
  • herncas-do-pasado
  • libertando-os-cativos-02-aluno
  • libertando-os-cativos-02-professor
  • libertando-os-cativos-aluno
  • libertando-os-cativos-professor
  • reconstruindo-o-carater-ferido
  • saindo-do-cativeiro

Escritório Secrai

(27) 3066- 7152  / 3051- 0877faleconosco@secrai.com.br
Av. Eldes Scherrer Souza, 1025, Centro Empresarial da Serra, Sala 409
Laranjeiras – Serra – ES | CEP: 29165-680